S. Julião
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde

Calendário

<<  Novembro 2017  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
    1  2  3  4  5
  6  7  8  9101112
13141516171819
20212223242526
27282930   

Mapa

Coordenadas GPS:

40º36'21''N
7º45'57''W

Ver mapa aqui.

Entrada



Visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje78
mod_vvisit_counterOntem2940
mod_vvisit_counterEsta semana12589
mod_vvisit_counterEste mês48399
mod_vvisit_counterTotal3788047
Visitors Counter 1.5
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

HOMILIA DE DOMINGO DE RAMOS (ANO A)

DSCF6440 800x600

DSCF6435 800x600Com esta comemoração da entrada de Jesus em Jerusalém, onde foi recebido com aclamações e ramos de árvores, iniciamos a Semana Santa, na qual somos convidados a viver os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo, o Filho de Deus feito homem. Esta entrada do Messias na cidade de David não se deve considerar uma entrada triunfal, porque Jesus entra como uma pessoa humilde e pacífica. Se hoje trazemos os nossos ramos para aclamar um Cristo triunfante é porque estamos a pensar naquele que veio a este mundo e continua a vir em cada um de nós, em nome do Senhor, para edificar a razão mais profunda da nossa existência humana e cristã. Tradicionalmente, este dia é de festa e de alegria, introduz-nos nos diversos sentimentos e realidades que vamos viver nos próximos dias em poderemos comprovar como aquelas pessoas que, com um entusiasmo passageiro aclamavam Jesus num dia como o de hoje, serão as mesmas que na próxima sexta-feira o rejeitarão e pedirão a sua crucificação e morte. A vida das pessoas é constituída de triunfos e de fracassos, de sorrisos e de lágrimas, de momentos esplendorosos e de momentos de escuridão. Viver a Semana Santa é uma boa ocasião para rever a nossa vida e vida das pessoas que nos rodeiam, com a firme esperança de que à dor da próxima sexta-feira seguir-se-á a alegria do domingo da Ressurreição. A luz triunfará sempre sobre as trevas, a nossa alegria pascal superará definitivamente todos os sinais de morte.

Este domingo é marcado pela narração da paixão segundo S. Mateus. Neste texto, existem quatro aspetos que só aparecem em S. Mateus: a morte de Judas; o gesto de Pilatos lavar as mãos; a perturbação da mulher de Pilatos por causa da inocência de Jesus e a presença de soldados a guardar o sepulcro de Jesus. Não deixa de ser curioso que Mateus inicie o seu evangelho com a figura do rei Herodes, dos sumos-sacerdotes e dos escribas a procurarem a morte de Jesus-menino; e o acabe apresentando Pilatos, os sumos-sacerdotes e os escribas a condenarem à morte Jesus-adulto; e que Jesus é sempre apresentado como o rei dos judeus. Quando S. Mateus narra a infância de Jesus, encontramos cinco momentos onde aparecem amigos e inimigos de Jesus. Os amigos são Maria, seu esposo José e os magos vindos do Oriente; e os inimigos são Herodes, os escribas e os fariseus. Ora, no relato da paixão repete-se o mesmo esquema: os amigos são José de Arimateia, Maria Madalena e algumas mulheres e alguns discípulos; e os inimigos são os sumos-sacerdotes e os soldados romanos. Na história da humanidade, a figura de Jesus sempre foi e é polémica, ou é seguido ou é perseguido, ou é admirado ou é marginalizado, por uns ou por outros.

Segundo S. Mateus, os discípulos de Jesus tinham proclamado que Ele era o Filho de Deus; por isso, a sua fuga e o terem abandonado o Mestre é ainda mais escandaloso, mas é a imagem da fragilidade humana. Pedro, que tinha sido salvo por Jesus quando se afundava no mar e que tinha confessado que Jesus era o Messias, negou-o por três vezes. No início do seu evangelho, para S. Mateus eram os magos, uns personagens gentios, que procuravam Jesus perante a hostilidade dos judeus; no relato da paixão, é uma mulher pagã, a esposa de Pilatos, a que mais defende Jesus.

Cónego Jorge Seixas

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Via Sacra ao vivo no Monte

da Senhora do Castelo

DSCF6154 800x600

 No dia 2 de abril às 16h30 realizou-se no Monte da Senhora do Castelo a Via Sacra ao vivo, que já faz parte do programa pascal.

A Encenação da Paixão de Cristo realiza-se na Paróquia de Mangualde desde 2010, respondendo a um desafio feito pelo Rev. Cónego Jorge Seixas à Catequese.

As 14 estações foram representadas em diversos pontos do monte e contou com a participação de crianças e jovens dos diversos anos da catequese orientados pelos seus catequistas.

Foi presidida pelo Rev. Cónego Jorge Seixas e Diáconos Paulo Vicente e Manuel Vaz.

DSCF6152 800x600

A 1ª Estação começou ao lado da Ermida, seguindo-se as outras ao longo do Monte, terminando atrás da Ermida, onde Jesus foi sepultado.

DSCF6168 800x600

A Encenação foi seguida e vivida pelos fiéis que percorreram a caminhada de Jesus a carregar a Cruz.

DSCF6176 800x600

 

DSCF6197 800x600

DSCF6191 800x600

DSCF6208 800x600

DSCF6215 800x600

DSCF6221 800x600

DSCF6230 800x600

DSCF6245 800x600

DSCF6254 800x600

DSCF6260 800x600

DSCF6266 800x600

 

DSCF6275 800x600

DSCF6282 800x600

DSCF6296 800x600

No final o Rev. Cónego Jorge Seixas agradeceu a todos que ajudaram neste momento de reflexão: ao Coordenador Geral da Catequese, Diácono Manuel Vaz, aos Catequistas, às crianças e jovens da Catequese e aos respetivos pais que ajudaram na preparação de cada estação.

Nos agradecimentos não esqueceu os técnicos de som.

Antes da bênção final o Pároco de Mangualde Rev. Cónego Jorge Seixas salientou: “A Vida não acaba na Morte. Com a vitória de Cristo na Cruz estão abertas as portas para a Vida na sua plenitude.”

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

HOMILIA DO 4º DOMINGO DA QUARESMA (ANO A)

 

O cego de nascença dizia aos fariseus: “Jesus pôs-me lodo nos olhos; depois fui lavar-me e agora vejo…Ele é um profeta…Eu creio em Ti, Senhor”. Os textos bíblicos deste domingo, apesar de descreverem acontecimentos que vivemos quando começámos a pertencer à Igreja, revelam o mistério que celebramos na Eucaristia e prepara-nos para o encontro com Cristo ressuscitado na Vigília Pascal. Com efeito, somos nós que, para sermos reis, fomos ungidos pelo Espírito de Cristo, e para vermos, lavamos os nossos olhos nas águas do Enviado, no misterioso Siloé do sacramento do batismo. Nós somos o cego que nasceu nas trevas, para que no nosso coração sejam reveladas as obras de Deus. Somos nós os que, estando no meio dos mortos, fomos iluminados por Cristo. No dia do nosso batismo, fomos incorporados em Cristo, fomos ungidos como Ele para sermos sacerdotes, profetas e reis. Hoje, somos acolhidos pelo Senhor que é o nosso pastor, que preparou a sua mesa para nós, que com óleo perfuma as nossas cabeças e faz transbordar o cálice da nossa salvação.

O texto da cura do cego de nascença é a segunda catequese batismal desta Quaresma e transmite-nos a seguinte mensagem: Cristo é a luz do mundo; pelo batismo, somos iluminados por Cristo; com Cristo, passamos da condição de escravos à liberdade de filhos de Deus. É uma catequese sobre Cristo (Quem é Jesus de Nazaré?), mas também uma catequese sacramental (quais são os sacramentos pascais?). A cura da cegueira não é apresentada como um milagre para dar vista aos olhos daquela pessoa, mas como um sinal que é dado ao cego para que chegue a ver, em Jesus de Nazaré, o Enviado de Deus. A cura da cegueira é um sinal para que o cego acredite! A incapacidade daquele homem para ver a luz do dia representa a incapacidade de todo o homem e mulher para ver a luz de Deus, que é Jesus Cristo, ou seja, todos somos aquele cego! Mas nem todos somos cegos da mesma maneira: uns sabem e reconhecem que não vêem; outros, apesar de cegos, dizem que vêem. Cristo veio ao mundo “para exercer um juízo: os que não vêem ficarão a ver; os que vêem ficarão cegos”. A cura do cego é a explicação da revelação que Jesus tinha feito, ao dizer: tenho de trabalhar nas obras d’Aquele que Me enviou…Enquanto Eu estou no mundo, sou a luz do mundo”.

Curando o cego, curando-nos da nossa cegueira, Jesus realiza a obra de Deus e manifesta-se como luz do mundo. Na narração evangélica deste domingo, Jesus revela-se como a luz do mundo. Mas, há um pormenor neste texto: a piscina onde Jesus mandou o cego lavar-se tinha o nome de “Siloé”, que quer dizer “Enviado”. O cego é enviado a lavar-se na piscina do Enviado de Deus. Ele foi, lavou-se e ficou a ver. Agora, se nos perguntarem quem é Jesus de Nazaré, já sabemos responder: Jesus é o Enviado de Deus, é a luz que dá a vista a um cego para, depois, lhe dar a fé, Jesus é a luz do mundo! Agora, sabemos responder à pergunta sobre quais são os sacramentos pascais: o batismo é o nosso Siloé, é a piscina onde nos encontramos com o Enviado, com o Senhor ressuscitado. A Eucaristia é o sacramento de comunhão com Cristo, para o encontro com a luz do mundo, para que, iluminados por Ele, possamos percorrer o caminho da vida.

Na água da fonte batismal, na nossa piscina de Siloé, encontrámos Jesus Cristo, o Enviado do Pai: ali passámos das trevas para a luz, da morte para a vida, da escravidão do pecado para a liberdade dos filhos de Deus.

Cónego Jorge Seixas

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

DSCF6028 800x600

Centenário das aparições de Fátima

24 horas de oração com Maria e o Seu Filho

24 e 25 de março das 18 às 18 horas

DSCF6031 800x600

 DSCF6037 800x600

Estamos a viver o ano do centenário das aparições de Fátima, um acontecimento marcante para a Igreja em Portugal. Assim sendo, para melhor vivenciarmos este acontecimento, convidamos a vir rezar connosco nas “24 horas de oração com Maria e o Seu Filho” .

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

cartaz cor24h 800x600

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Página 10 de 169