Calendário

<<  Novembro 2017  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
    1  2  3  4  5
  6  7  8  9101112
13141516171819
20212223242526
27282930   

Mapa

Coordenadas GPS:

40º36'21''N
7º45'57''W

Ver mapa aqui.

Entrada



Visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje59
mod_vvisit_counterOntem2940
mod_vvisit_counterEsta semana12570
mod_vvisit_counterEste mês48380
mod_vvisit_counterTotal3788029
Visitors Counter 1.5
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

HOMILIA DO 15º DOMINGO COMUM (ANO A)

Neste domingo, iniciamos a leitura do capítulo 13 de S. Mateus, onde se encontram as parábolas do Reino. São breves relatos figurados através dos quais Jesus fala sobre a sua missão e a dos seus discípulos para dar a conhecer a vontade de Deus. Inspira-se não nos ensinamentos rabínicos mas nas situações da vida normal das pessoas. Este capítulo inicia com a parábola mais longa e completa, que é a parábola do semeador.

Neste texto, quem é o semeador? Jesus é o semeador da Palavra do Reino. É um trabalhador entusiasmado e perseverante, que acredita no que faz. Sai diariamente para o campo e lança com abundância a semente da Boa Nova que contém “os segredos do Reino dos Céus”. Confia na qualidade da semente, porque vem de Deus e que completará o seu ciclo quando der frutos (cfr. 1ª leitura). Esta semente irá deitar raízes na terra. A semente é o começo de tudo, ou seja, sem pregação, não há evangelização. Não é o semeador que escolhe o terreno, mas a forma como os que ouvem acolhem a semente ou a rejeitam. Jesus fala em parábolas e utiliza uma linguagem misteriosa para que as pessoas se interroguem sobre a sua vida. Neste sentido, pode entender-se a citação de Isaías no texto do evangelho: “Ouvindo ouvireis, mas sem compreender; olhando, olhareis, mas não vereis”. Recordemos os sábios e os inteligentes do evangelho do domingo passado. O seu orgulho e prepotência endureceram a terra do seu interior e a semente foi “sufocada e queimada”, como a semente no caminho e nos sítios pedregosos. O anúncio do Reino de Deus não utiliza uma linguagem ameaçadora. A linguagem de Jesus é provocante: interpela, inquieta e renova. O Reino de Deus não é uma mera utopia humana, mas é uma nova criação realizada pelo Espírito Santo, como afirma S. Paulo na segunda leitura. A pregação do Reino tem de provocar, ao mesmo tempo, entusiasmo e conversão.

Depois de Jesus ter contado a parábola à multidão, os discípulos aproximaram-se e disseram-lhe: “Porque lhes falas em parábolas?”. Jesus responde: “Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos Céus, mas a eles não”. “Felizes os vossos olhos porque vêm e os vossos ouvidos porque ouvem!”. De seguida, explica-lhes o que significa a parábola do semeador. Eles deixaram-se conduzir por Deus, acolheram a semente do Reino nas suas vidas. Com paciência, deixaram-se transformar à imagem e semelhança de Deus. Os segredos do Reino tornaram-se mais claros, quando se aproximaram de Jesus. Hoje, tendo em conta as circunstancias atuais, a Igreja tem de aprender a evangelizar novamente: saber lançar uma semente que chegue ao maior número de pessoas e saber oferecer a proximidade de Jesus e dos seus ensinamentos.

Que frutos produz a Palavra de Deus? Começa por ser palavra escrita, para ser lida, meditada, vivida, proclamada e pregada. Mas, como dizia a primeira leitura de Isaías, é uma Palavra que sai da boca de Deus. É uma Palavra que origina algo de novo. Perante a contaminação e a degradação do pecado, a semente da Palavra de Deus produz vida, como nos afirma S. Paulo na segunda leitura.

Aproveitemos todos os momentos para ler, meditar e partilhar a Palavra de Deus. Não podemos ser analfabetos, incapazes de ler e entender a Sagrada Escritura. Que não haja um dia sem ler a Palavra de Deus.