Calendário

<<  Setembro 2017  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
      1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Mapa

Coordenadas GPS:

40º36'21''N
7º45'57''W

Ver mapa aqui.

Entrada



Visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje522
mod_vvisit_counterOntem2815
mod_vvisit_counterEsta semana522
mod_vvisit_counterEste mês63503
mod_vvisit_counterTotal3665116
Visitors Counter 1.5
Culto


PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Pastoral Paroquial - Culto

                                

INTRODUÇÃO

 

Depois de uma breve análise socio-económica, cultural, religiosa e histórica da realidade da freguesia de Mangualde, procurarei esboçar um plano de acção pastoral nos vários níveis da actuação da Igreja.

Na elaboração deste Plano Pastoral foi sempre tido em conta a preocupação de se construir na freguesia de Mangualde uma comunidade evangelizada e evangelizadora, capaz de dar ao mundo as razões da nossa esperança.

É importante, antes de mais, apresentar os critérios, bem como os objectivos gerais que nos propomos.

 

 

Critérios

 

                A) Tendo em conta a realidade da paróquia, incentivar o relacionamento comunitário na vida geral,

                     sendo um aspecto onde ainda há muito para caminhar;

                B) Incentivar a consciência da unidade  na  mesma fé,  iluminando  a relação  humana, levando a

                     uma boa vizinhança;

                C) Forte apelo à unidade no amor fraterno, pois verifica-se uma certa separação entre as pessoas,

                     uma convivência individualista, egoísta e com tendência para a intriga.

 

Objectivos Gerais

 

A) Vida partilhada e em nível de comunhão;

B) Celebração da vida pela Liturgia;

C) Vida, expressão de fé;

D) Modelo a imitar: a comunidade primitiva de Jerusalém.

 

  

I - PASTORAL LITÚRGICA

 

 

Objectivos Gerais

  

A) Colocar os sacramentos instituídos por Cristo como Ele os quis, ao serviço e em função dos

     homens que precisam de Salvação;

B) Cada sacramento seja preparado e celebrado com o máximo de consciência possível;

C) Despertar a fé das pessoas na preparação dos sacramentos, pois estes exigem e supõem a fé;

D) Dinamizar a expressão comunitária de todos os sacramentos;

E) Consciencializar a viver a fé que se celebra.

 

 

Tarefas

 

 

A - Assembleias Dominicais

 

          1. Conseguir que cada um se considere interveniente e não assistente;

          2. Promover ou auxiliar as equipas de animação litúrgica;

          3. Constituir a equipa de acólitos e sua formação;

          4. Elaborar as listas de leitores e sua formação;

          5. Responsabilizar as equipas de animação litúrgica na escolha de cânticos adequados e respectivos

              ensaios;

          6. Organizar o serviço de comentários nas celebrações litúrgicas;

          7. Concretizar o acolhimento das pessoas, particularmente as que são estranhas à comunidade, que

              chegam para a celebração;

          8. Formação de uma equipa para a cuidada atenção a factores externos e ambientais, como o som, a

              luz e o espaço litúrgico;

          9. Atenção à formação das equipas de todos estes diversos sectores;

         10. Preocupação do pároco em fazer da Liturgia, com a criatividade possível, expressão da vida do

               Povo de Deus.

 

 

B - Sacramento do Matrimónio

 

          1. Os noivos no primeiro encontro devem sentir-se em família, bem acolhidos;

          2. Responsabilizá-los pelo que vão fazer;

          3. Fazê-los sentir a necessidade de uma preparação próxima e que a façam de livre vontade;

          4. Consciencializar a comunidade para a responsabilidade na formação de novas famílias;

          5. Que os noivos sejam conscientes da sua vocação e missão;

          6. A celebração litúrgica seja uma verdadeira celebração de fé e que os noivos consigam vivê-la

              festivamente;

          7. Preocupação pela integração da nova família a todos os níveis de um modo especial a nível

              religioso;

          8. Inteirar-se, afavelmente, da sua situação social, cultural e religiosa;

          9. Orientá-los na elaboração dos processos civil e canónico do matrimónio;

         10. Fazer a preparação para o casamento com a participação no Curso do CPM (Centro de

               Preparação para o Matrimónio);

         11. Para a elaboração do processo civil e eclesiástico, seguir-se-iam as normas estabelecidas pelo

               Direito. No caso do processo civil, procurar-se-ia que fossem os noivos a tratar dele no Registo

               Civil. Estes processos teriam início logo a partir do primeiro encontro com os noivos;

         12. Quanto ao cumprimento de formalidades, como registos, averbamentos, comunicações e

               lançamento no ficheiro paroquial, todas elas deveriam fazer-se segundo o estabelecido dentro dos

               prazos, sabendo da urgência e importância de cada uma delas.

 

  

C - Sacramento do Baptismo

  

           1. Oportunidade de catequização dos pais e padrinhos, recordando-lhes os seus compromissos

               familiares;

           2. A celebração, de preferência, seja comunitária;

           3. Que a celebração seja um acontecimento de fé, marcante para a família e para toda a comunidade;

           4. Acolhimento dos pais com toda a atenção possível, demonstrando o máximo interesse pelo seu

               filho e pela sua decisão de o baptizar. Procurar saber, discretamente e pelo diálogo, quais são as

               verdadeiras razões que levaram os pais a pedir o baptismo para que sejam tidas em conta na

               respectiva preparação e marcar uma reunião para esse fim;

           5. De início, a preparação será feita por um grupo de leigos;

           6. Atenção especial a todas as formalidades resultantes do baptismo e de um modo especial na

               inscrição do nome no livro de assento de Baptismo, sinal da entrada na comunidade eclesial;

           7. Enquadramento da celebração na Eucaristia Dominical, sendo preparada, não só pelos pais

               e padrinhos, mas também pela equipa de animação litúrgica;

           8. Na celebração, realçar a riqueza dos símbolos existentes na celebração baptismal.

 

 

D - Celebração Exequial

  

            1. A liturgia cristã dos funerais seja uma celebração do Mistério Pascal de Cristo;

            2. O ministro sinta que terá de ser ministro da consolação e desempenhe esse ministério com a

                participação de toda a comunidade;

            3. Marcar o dia e a hora do funeral, entrando em contacto com a família, visitando-a e rezando com

                ela;

            4. Cuidada atenção nas homilias dos funerais, pois são momentos para falar a muitas pessoas que

                raramente vêm à Eucaristia ou à Igreja;

           5. Não haver descuido nas formalidades a observar no que se refere a registos, assentos,

               comunicações e lançamento no ficheiro paroquial.

 

  

E - Sacramento da Confirmação

 

             1. Sensibilizar para a importância do sacramento na dinâmica da Iniciação Cristã;

             2. Enquadrar a preparação para o sacramento do Crisma no projecto global da catequese, dos 6

                 aos 16 anos;

             3. Além da preparação a  longo prazo,  incluída no projecto global de  catequese,  ter  em  conta a

                 preparação a médio prazo, sobretudo no último ano de preparação, e a preparação próxima nas

                 últimas semanas;

             4. Inserção imediata na comunidade  eclesial,  de uma forma activa, dos  recém-crismados na vida

                 paroquial;

             5. Ter em conta os averbamentos e as comunicações e criar um livro de registos de crismas.

 

  

F - Sacramento da Reconciliação

 

             1. Consciencializar  a  comunidade  para  a   alegria  do  encontro  com  o  Pai  da Misericórdia,

                 Reconciliador e Fonte de paz e de felicidade;

             2. Ter em conta os tempos fortes do ano litúrgico, que são o Advento e a Quaresma, marcando

                  tempos para confissão individual e celebrações penitenciais para toda a comunidade;

              3. Promover celebrações penitenciais para as crianças, especialmente no tempo do Advento e

                  Quaresma e festas finais de catequese;

              4. Promover pelo menos duas celebrações penitenciais para jovens no Advento e na Quaresma,

                  procurando que não tenham receio e percam os preconceitos  em  relação a este sacramento;

             5. Educar, a partir da catequese infantil, de adolescentes, de jovens e  de  casais jovens, sobre a

                 teologia do sacramento da Penitência;

             6. Aproveitar a preparação para os outros sacramentos como o baptismo, crisma e matrimónio,

                como momentos oportunos para sensibilizar sobre o sentido do pecado e necessidade deste

                sacramento;

            7. Marcar horários de confissões na paróquia, pelo menos um dia por semana, durante algumas

                horas, não descuidando, até, a direcção espiritual;

            8. Atenção muito especial para os doentes. Pedir aos ministros extraordinários da comunhão que

                estejam atentos às necessidades de confissão dos doentes, para além de algumas visitas não

                programadas aos doentes. Marcar confissões  para os doentes ao domicílio nos tempos fortes

                do Advento e da Quaresma.

 

 

G - Santa Unção e Comunhão dos Doentes

 

Antes propriamente de começar, convém esclarecer que a Unção dos Doentes encontra-se situada na pastoral geral dos doentes e dos idosos.

 

             1. Desfazer  a  mentalidade  existente de  que  a  Santa  Unção  não  é  a “Extrema Unção”, só para

                 moribundos;

             2. Criar um clima comunitário e favorável à celebração deste sacramento, situando-a no seguimento

                 do ministério de Cristo que curava os doentes;

             3. Ajudar a mudar a mentalidade que se criou de que, quando o padre vai a casa, está alguém para

                 morrer;

             4. Criar a consciência de que a Santa Unção é para os doentes que entram numa fase preocupante

                 e que pode receber-se de novo se se voltar a adoecer ou se se agravar o estado de saúde. Pode

                 ainda ser administrado antes de uma grave intervenção cirúrgica e aos idosos.  Esta  consciência

                 deve ser despertada  a  partir da catequese infantil, no sentido de que sejam eles próprios a pedir

                 o sacramento nos casos acima referidos;

             5. A preparação dos  doentes  começa  com  as visitas a médio prazo e também pela família a curto

                 prazo, pelo ministro extraordinário da comunhão e pelo pároco;

             6. Não esquecer o sentido comunitário  da  celebração  da Unção: doente, grupo paroquial de visita

                 aos doentes, família e pároco;

             7. Sensibilização  para  a  celebração  comunitária  deste  sacramento,  quando  o  tempo  estiver

                 favorável, para acamados que possam vir e sobretudo para os muito idosos;

              8. A comunhão dos doentes  é  feita  pelos  ministros  extraordinários da comunhão, tendo  cada

                  doente a oportunidade de receber o Senhor uma vez por mês;

              9. Preocupação de aumentar o número dos ministros extraordinários da comunhão. Quando tal

                  acontecer, iniciar  a  comunhão semanal  dos doentes, nunca  esquecendo a liberdade, neste

                  aspecto, do doente.

 

  

H - Religiosidade Popular

 

            1. Colocar o culto de Nossa Senhora e dos Santos no seu devido lugar;

             2. Fomentar a devoção mariana e a oração em família;

             3. Realçar com grande importância a festa do padroeiro e aproveitar todas as festividades dos

                 santos para uma maior comunhão entre todos os paroquianos;

             4. Fomentar o terço individual e em família;

             5. Solenizar o mês de Maio e de Outubro, havendo celebrações marianas diárias na Igreja Paroquial

                  e nas capelas, mesmo sem a presença do padre, podendo ser orientadas pelos ministros

                  extraordinários da comunhão, catequistas e jovens;

             6. Em todas estas celebrações, dar prioridade à escuta e à partilha da Palavra de Deus;

             7. A festa do Padroeiro seja um momento forte na vivência anual da comunidade;

             8. Com  as  festas  dos  outros  santos, aproveitá-las  para a  construção de uma comunidade cada

                 vez mais unida, mais festiva e mais cristã, à maneira dos santos que se celebram e se recordam.

                 Pode ser feito, através de celebrações penitenciais, ensaios de cânticos e outras actividades.

 

  

 

II - PASTORAL CATEQUÉTICA

 

 

Objectivos Gerais

 

                1. Promover a consciente e conveniente iniciação cristã de todos os membros da comunidade;

               2. Actualizar a educação cristã de todos;

               3. Levar a uma vivência cada vez mais profunda da fé cristã;

               4. Levar à celebração da fé;

               5. Fazer de cada um responsável pelo anúncio da Palavra e do Reino de Deus;

               6. Fazer de cada um sujeito e objecto da Evangelização.

 

  

Tarefas

 

Todos estes objectivos gerais concretizam-se nas seguintes àreas de intervenção:

                A) crianças e seus pais;

                B) adolescentes e seus pais;

                C) jovens e seus pais;

                D) adultos;

                F) casais;

                G) idosos e doentes.

 

 

1. Criação do Secretariado Paroquial de Educação Cristã, presidido pelo pároco, tendo um coordenador geral e um representante de cada ano da catequese. Teria como finalidade programar e coordenar as actividades de todos e cada um dos sectores, a saber:

             A) Festas das Classes;

             B) Celebrações Penitenciais;

             C) Festa de Natal;

             D) Programação de formação de catequistas, etc.

 

 2. Implantar os catecismos elaborados pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã. Estes seriam entregues aquando da matrícula, obrigatória para todas as classes e com a assinatura (compromisso) dos pais;

3. Realização de reuniões com os catequistas para rever, propôr e programar as actividades, marcar as acções de formação e reuniões de pais que seriam duas: uma no início do ano catequético e outra no início do ano civil;

4. Sensibilizar para a formação da catequese de adultos. Teria como finalidade aprofundar a fé em Jesus Cristo e preparar os grandes momentos do Ano Litúrgico e da vida da comunidade;

5. Revitalizar todos os movimentos eclesiais existentes na paróquia

6. Lançar um Curso Bíblico;

7. Convidar os jovens para a experiência dos Convívios Fraternos e os adultos para os Cursos de Cristandade;

8. Organizar encontros de casais do género revisão de vida;

9. A nível vocacional, valorizar a Semana dos Seminários e das Vocações. Promover, ainda, a participação de alguns jovens nos encontros de Pré-Seminário (iniciativa a estimular e a alargar), e noutros encontros vocacionais mais gerais;

10. Programação de formação de agentes que programariam cursos de catequistas, animadores de jovens, adultos e casais.

 

 

 

III - PASTORAL SOCIO-CARITATIVA

 

 

Objectivos Gerais

 

 

1. Especial atenção aos pobres, aos idosos que vivem sós e aos mais necessitados;

2. Preocupação em ter sempre uma informação actualizada destas realidades;

3. Contribuir para criar novos horizontes que propiciem um desenvolvimento harmónico e integral das pessoas.

 

 

Destinatários

 

 

1. Lugar privilegiado aos idosos;

2. Embora ligados aos idosos, cuidada atenção aos doentes.

3. As crianças que, algumas vezes, não têm na família um apoio minimamente aceitável, nem condições para crescer como crianças alegres e felizes, desintegradas do meio;

4. Algumas famílias que se encontram em dificuldades, sejam elas a nível económico, social ou outro.

 

 

 Tarefas

 

 

1. Colaborar em todas as acções de apoio social, não esquecendo a importância das Conferências Vicentinas. A nossa missão seria de concentrar esforços no sentido de criar um grupo de visitadores de doentes e de idosos, estando atentos às necessidades possíveis de satisfazer. Para estas acções terão papel preponderante o pároco, os ministros extraordinários da comunhão, alguns jovens e outros;

2. Promover uma festa anual de todos os doentes e idosos no Dia Mundial do Doente ou em outra data a marcar no Verão;

3. Lutar contra a solidão do doente, realçando os valores de uma vida crescente e ascendente de modo a dignificar e a dar sentido à vida do doente e do idoso.

 

  

 IV - ORGANIZAÇÃO PAROQUIAL

 

 

Objectivos Gerais

  

1. Desburocratizar ao máximo a vida paroquial;

2. Organizar e coordenar as actividades de toda a paróquia, em todos os níveis da acção da Igreja para que haja uma verdadeira pastoral;

3. Promover a corresponsabilidade eclesial;

4. Promover a abertura da paróquia ao arciprestado e à Igreja Diocesana e Universal.

 

  

Tarefas

 

 

1. Marcar tempos determinados de atendimento no Cartório Paroquial;

2. Incentivar o Conselho para os Assuntos Económicos e colocá-lo a funcionar de acordo com o Estatuto-Base da Diocese de Viseu. A ele, competiria, para além de outras atribuições, gerir toda a economia da paróquia, assegurar um Fundo Paroquial, donde sairia um ordenado fixo para o pároco e outros membros que houvesse e ajudar as Comissões de Festas e Capelas no cumprimento das suas tarefas;

3.  Reestruturar o Conselho Pastoral Paroquial, rever os estatutos de acordo com os Estatutos-Base da Diocese de Viseu e colocá-lo a funcionar;

 

4.  Responsabilizar as Comissões de Culto, dando orientações na escolha dos seus membros e colocá-los dentro de uma dinâmica mais comunitária;

 

5.  Actualização do ficheiro paroquial;

6.  Velar para que a paróquia, no seu pároco, nas suas estruturas e nos seus membros, não se feche em si própria, mas se abra à realidade arciprestal, diocesana e universal, não só participando nas actividades propostas, mas mesmo aceitando responsabilidades a esses níveis, no campo da cooperação, dinamização e mesmo liderança de processos ao serviço de todos.

 

 

  

CONCLUSÃO

 

 

 

Sem querer repetir ideias já apresentadas, diria que este trabalho, embora com todas as suas limitações apontadas, poderá ser uma contribuição útil para uma acção a realizar no futuro. É possível que, em algumas coisas, quando vier a ser concretizado já esteja desactualizado. No entanto, sem ser exaustivo, pode pelas suas ideias e caminho percorrido, ser um ponto de partida para uma futura actuação.

Creio que este trabalho pode ser válido pelas suas virtualidades, se é que as tem, e também pelos seus limites, tanto aqueles que estão nele explícitos, como outros que nos fez revelar.

Espero que este simples trabalho possa ser uma contribuição, embora singela, para que o reino de Deus seja cada vez mais e melhor acolhido pelos homens e que a Igreja seja um Sinal cada vez mais claro desse Reino.