S. Julião
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde
  • Paróquia de Mangualde

Calendário

<<  Julho 2014  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Mapa

Coordenadas GPS:

40º36'21''N
7º45'57''W

Ver mapa aqui.

Entrada



Visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje2117
mod_vvisit_counterOntem2852
mod_vvisit_counterEsta semana13337
mod_vvisit_counterEste mês57887
mod_vvisit_counterTotal1990036
Visitors Counter 1.5
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Decorridos 2 anos da ordenação,

como Diácono Permanente

Sr. Vaz 800x600 

o Sr. Manuel Vaz, dá-nos o seu testemunho

N.B. - Estes dois anos correspondem à sua expetativa?

D.P. Vaz - Em boa verdade quando da ordenação em 22 de Julho de 2012 eu não tinha criado ou prespetivado um conjunto de expectativas, bem pelo contrário eu simplesmente tinha decidido seguir Jesus entregando-me confiadamente a Cristo e solicitando sempre mas sempre que o Espírito Santo fizesse em mim a sua obra, e como, pegando nas minhas dificuldades, no meu pouco saber e que o colocasse ás ordens de Deus.

Penso que talvez fosse interessante recordar o que disse o Santo João Paulo II sobre ao Elementos da Espiritualidade Diaconal na “ Audiência- Geral de 20 de outubro de 1993”, “ … é particularmente importante e atraente o que diz respeito ao espírito do diaconado, que toca e envolve todos os que recebem este sacramento para desempenhar as funções segundo uma dimensão evangélica…”,

Pelo que atrás se diz daqui, brota não só na espiritualidade diaconal, mas e também um auxílio precioso no desempenho de várias funções e essas pessoas (diáconos) fazem a doação da sua pessoa ao serviço do reino de Deus na Igreja.

Jesus disse para os doze “ ... O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir…“( Mc 10,45 ; Mt 20,28 ), e se nesse tempo foi dito para os doze no hoje e agora aplica-se a todos os ministros sagrados, tendo no entanto um significado muito especial para o Diácono, pois,para ele, por força da ordenação, a ênfase é colocada expressamente nesse serviço. O Diácono não tendo a autoridade pastoral do Sacerdote manifesta mais profundamente a intenção de servir.

O Diácono serve o seu Bispo a quem no momento da ordenação professou reverência e obediência.

O Diácono é chamado a participar no mistério da cruz, a partilhar os sofrimentos da Igreja, a sofrer a hostilidade que o atinge, em união com Cristo redentor, sendo que este aspeto doloroso o torna mais fecundo.

Como já tive oportunidade de dizer nunca programei ser Diácono, foi acontecendo, primeiro o convite do nosso Bispo depois 3 anos na Faculdade de Teologia da Universidade Católica de Lisboa concluindo com aproveitamento 43 disciplinas, mais tarde um período de reflexão, depois a ordenação e finalmente a possibilidade de servir a comunidade

Posso afirmar que DIACONADO é   SERVIÇO e MISSÃO.

 

N. B. – Como tem vivido esta experiência junto da comunidade?

D.P. Vaz – A comunidade de Mangualde é muito exigente e ainda bem que assim é, mas é também muito misericordiosa e muito generosa.

À generalidade dos paroquianos de Mangualde eu sinto-me verdadeiramente agradecido, pois ajudaram-me muito e em variados aspetos e situações e estou a pensar na Catequese ( em média 64 maravilhosos catequistas por ano ) , no Cursilho de Cristandade e no Renovamento Carismático ( grupo maravilhoso de pessoas que partilham e testemunham a sua vivência com Cristo ), nas celebrações e procissões que se realizam não só em Mangualde, mas nas povoações ( Almeidinha, Cubos, Pinheiro, St, Amaro, Sta. Luzia, S. Cosmado, Darei , Sto. André, Canedo e Roda ).

Não posso deixar de enaltecer esta comunidade pela forma como me aceitou e mesmo incentivou a continuar e celebrar os sacramentos do batismo e do matrimónio.

Também me senti sempre apoiado na celebração do último adeus aqueles que amaram e partiam para o PAI e estou a falar das exéquias ( funerais ).

Ao fim destes dois anos acho que pastoralmente fiz um bom trabalho, mas fico a dever este bom trabalho à comunidade de Mangualde que sempre me apoiou e ajudou.

 

N. B. – Ao nível familiar houve algumas mudanças?

D.P. Vaz – Gostaria de dizer que não, mas na verdade foi preciso alterar alguns comportamentos, limar algumas situações que talvez não fossem próprias, e, quando falo assim ,estou a falar de mim, da minha esposa e dos meus filhos.

A minha adesão pessoal foi aceite com satisfação no seio familiar e o meu testemunho de vida diária encarado como uma forma muito natural de relação com Deus, quero eu dizer, todos respeitam as horas do dia destinadas às minhas orações ( Liturgia das Horas), não me marcam qualquer compromisso que possa chocar com as minhas obrigações pastorais.

Enfim também aqui Deus me ajudou e me deu uma família que é só e simplesmente maravilhosa.

 

N. B. – o que pensa a sua esposa decorrido este tempo?

D.P. Vaz – Não gosto de falar pelos outros, mas como ela sempre me acompanha e está sempre presente o melhor seria ser ela a responder pois está aqui junto de nós.

Fátima Vaz – No início tive algumas dúvidas pois era uma figura nova que iria aparecer na comunidade e eu receava que o entusiasmo do meu marido viesse a sofrer um rude golpe por a comunidade não aceitar o Diaconado.

Este mesmo meu medo apresentei-o ao Ex. Sr. Bispo que me disse para me acalmar pois o Espírito Santo também iluminaria a comunidade e tudo correria bem.

Na grande maioria das pessoas eu vejo e mesmo fazem-mo saber que estão agradadas pela desempenho pastoral do Vaz na comunidade.

Quanto a nós, em casa, tivemos que alterar algumas coisinhas, tais como horários, férias, saídas ao sábado e domingo, etc, nada que não pudesse ser mudado, mas na generalidade das coisas não foi preciso tocar pois também eu estou empenhada na Igreja ( catequese e alguns movimentos ).

Agradeço a Deus ter escolhido o meu marido para o servir, servindo a comunidade de Mangualde.

 

N. B. – Se pudesse voltar atrás faria tudo novamente?

D.P. Vaz – Compreendo que seja feita essa pergunta e acredite que é de resposta muito fácil, SIM faria tudo na mesma e se isso fosse possível gostaria de a fazer mais novo, isto é, tentaria não ter desperdiçado tantos anos da minha vida.

Permita-me que não resisto a dizer aqui uma afirmação do Papa Bento XVI na encíclica “ Salvos na esperança “ onde ele diz; “ A vida é como uma viagem no mar da história, com frequência enevoada e tempestuosa, uma viagem na qual perscrutamos os astros que nos indicam a rota. As verdadeiras estrelas da nossa vida são as pessoas que souberam viver com retidão. Elas são luzes de esperança. Certamente Jesus é a luz por antonomásia, o sol erguido sobre todas as trevas da história. Mas, para chegar a Ele precisamos também de luzes vizinhas, de pessoas que dão luz recebida da luz Dele e oferecem, assim, orientação para a nossa travessia. “

Este texto do Papa Bento XVI é por si só a VERDADE DO CAMINHO DA VIDA PARA CADA UM DE NÓS.

 

N. B. – Que mensagem deixa a outros que possam estar a pensar seguir esta vocação?

D.P. Vaz – Uma das frases bíblicas que sempre me tocou foi “ Não Tenhais Medo… “ ( Mt. 17,7 ; Lc 12,4 ; e muitos outros) e como eu gostaria que todos os paroquianos entendessem a importância que esta frase tem na vida de cada um de nós, pois de uma forma muito simples é o mesmo que dizer, eu não terei medo porque Cristo está comigo todas as horas e momentos da minha vida, isto é, nos momentos bons e lindos partilha da nossa alegria, nos momentos de indecisão ajuda-nos a dar o rumo certo às nossas opções, nos momentos maus é nosso conforto e amparo e no momento da morte é nossa salvação.

Todos temos ou devemos ter um ídolo de referência que seja um modelo daquilo que cada um de nós pensa ser o melhor, eu não escapo a questão e lanço aqui um desafio para lerem a vida de Santo Estêvão ( um dos primeiros diáconos da Igreja ) a forma humilde como ele foi capaz de viver até à morte aquele Cristo em que acreditava..

Para quem sentir o chamamento de servir Deus servindo os outros eu propunha que lesse o Evangelho do XV domingo do tempo comum ( foi do domingo passado 13 de Julho ) e tivesse a coragem de responder a ele próprio a qual destas quatro situações pertence;   Aquele que recebe a semente à beira do caminho? Aquele que recebe a semente em terreno pedregoso? Aquele que recebe a semente no meio dos espinhos? Aquele que recebe a semente em boa terra?

Da resposta honesta a esta questão estará com toda a certeza a diferença entre ser capaz de assumir o diaconado ou não.

O número de Diáconos Permanentes na Igreja foi aquele que mais aumentou desde 2009, passando de 28.000 par 35.000 em 2013,, onde cabe cada um de vós.

Aos que se sentirem chamados eu tomo a responsabilidade de vos dizer “ vinde para Cristo, Ele vos ajudará “ e eu ajudarei todos aqueles que decidirem esta ligação eclesial com a Igreja de Cristo!

 

N. B. – para terminar, quer deixar alguma informação particular?

D.P. Vaz – Claro que quero e desde já agradeço esta oportunidade.

Vou fazer alguns agradecimentos, não porque estas pessoas queiram os meus agradecimentos, mas porque eu me sinto bem ao fazê-los.

Agradeço ao Reverendíssimo Bispo D. Ilídio pela confiança e apoio que sempre me dispensou, como Pastor não deixou em tempo algum que esta ovelha se tresmalhasse.

Aos diversos Sacerdotes que ao longo da minha vida me foram acompanhando e semeando em mim a PALAVRA de DEUS entusiasmando-me com a sua espiritualidade, estou a pensar nos saudosos Cónego Monteiro e padre Lobinho, no Padre Manuel Fernandes e Padre Felício (hoje Reverendíssimo Bispo da Guarda), do padre José Marcelino, a todos eles um grande bem-haja.

Mais recentemente quero deixar um agradecimento muito grande aos senhores Padre Armando ( ecónomo da Diocese) e com quem tenho trabalhado co Conselho Económico da Diocese.

Quero agradecer aos Sacerdotes da Zona Pastoral da Beira Alta e muito particularmente aos do Arciprestado de Mangualde por me terem acolhido como um irmão, me terem ajudado neste integração comunitária.

Finalmente agradecer ao reverendo Cónego Seixas, pois quando recebi a ordenação tinha terminado uma licenciatura na Faculdade de Teologia da Universidade Católica de Lisboa, mas os meus conhecimentos em termos pastorais e práticos eram bastante reduzidos e ele não se poupou a esforços para me fazer crescer na fé e no serviço a Deus e aos irmãos.

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

23 de julho

Dr . António Bernardo Lopes

Marques Marcelino

partiu inesperadamente

 

Dr. Marcelino 1 800x600

O Dr. Marcelino, como era tratado carinhosamente por todos os membros do Complexo Paroquial e funcionários, faleceu no dia 23 de julho no Complexo Paroquial de Mangualde, com 77 anos.

O Complexo dizia muito ao Sr. Dr. Marcelino, porque colaborou na sua construção da qual fazia parte da Direção, pessoa muito dedicada à História. Ontem à tarde, dia 23 de julho, o Sr. Dr. Marcelino encontrava-se na Secretaria do Complexo Paroquial a fazer um trabalho sobre:“ Forais Manuelinos”, ausentou-se para fazer uma pausa e minutos depois a Secretaria foi alertada que estava caído numa das casas de banho da Instituição. Os Bombeiros Voluntários de Mangualde tentaram de tudo para o reanimar mas pouco já havia a fazer, confirmando-se, horas depois, o falecimento.

Desempenhava cargos no Complexo Paroquial (Secretário da Direção do Complexo Paroquial e responsável pelo Património Religioso da Paróquia), Membro da Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Mangualde e era Presidente da ACAB (Associação Cultural Azurara de Beira). Na Paróquia era Membro do Conselho Permanente, do Conselho Pastoral, do Conselho Económico, Catequista, Ministro Extraordinário da Comunhão, Responsável pelos Grupos Sinodais e Membro da Assembleia Sinodal da Diocese de Viseu.

Foi professor de História e bancário. 

Dr. Marcelino novo 800x600Estão a decorrer as obras de restauro da Igreja da Nossa Senhora da Conceição e todos os dias o Dr. Marcelino vinha ao Complexo para se inteirar dos trabalhos. Ele vivia intensamente tudo que era ligado ao Património Histórico-Cultural.

Deixa viúva a D. Maria Augusta  Sena Amaral Marques Marcelino  e pai do Sr. Nuno Jorge Tavares de Almeida Marques  Marcelino.

Está prevista a chegada do corpo (hoje, dia 24) pelas 17h00 à  Igreja da Nossa Senhora da Conceição, onde ficará em câmara ardente. O Funeral será amanhã, 25 de julho às 15h00.

Todos os Membros da Direção do Complexo Paroquial de Mangualde e funcionários desta Instituição apresentam as sentidas condolências à Família enlutada.

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Jardim de Infância - Actividades

P1090062 800x600P1090099 800x600

 

P1090045 800x600  P1090059 800x600

No passado dia 13 de julho, as crianças da sala dos 5 anos juntamente com os seus pais, educadora e auxiliar realizaram um piquenique na Srª. dos Verdes.

Foi uma forma de se juntarem para terminarem a passagem destes vários anos juntos e por este motivo pensam voltar a repeti-lo, visto que se vão separar ao irem para a escola primária.

P1090047 800x600 P1090077 800x600

P1090103 800x600

Foi um dia muito agradável. Todos saíram satisfeitos.

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Restauro e conservação dos retábulos

da Igreja da Senhora da Conceição

DSCF8388 800x600

Como já referimos, a Igreja da Nossa Senhora da Conceição está em obras no que toca aos altares.

Os laterais estão praticamente restaurados. A sua intervenção foi a nível superficial e substituição de peças que estavam em mau estado.

DSCF8387 800x600 DSCF8398 800x600  

O retábulo da capela mor está a ser intervencionado, devido ao seu mau estado de conservação. Foram preenchida as lacunas das madeiras enfraquecidas .

No passado dia 10 de julho, o Prof. Dr. Inês Vaz e o Engº. Balula, acompanhados do Dr. Marcelino fizeram uma visita onde se inteiraram e apreciaram os trabalhos que estão a decorrer.

DSCF8395 800x600 DSCF8399 800x600

O Sr. Abílio da Conceição, de 56 anos, entalhador da Empresa Arte e Talha de Santa Comba Dão referiu-nos que já trabalha neste setor desde os 14 anos.

O trabalho que estão a realizar é muito minucioso como por exemplo restauro do sacrário, onde teve de substituir os braços dos anjos, e outros elementos da peça.

DSCF8402 800x600  DSCF8452 800x600

Também os marceneiros Sr. Manuel Dias e Sr. Luís Conceição continuam o seu trabalho minucioso de restauro. As obras estão a decorrer a bom ritmo e brevemente poderá apreciar os trabalhos que estão a ser feitos.

 
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

16º DOMINGO COMUM (ANO A)

Neste domingo, continuamos a reflexão das “parábolas do Reino”, que nos explicam a maneira de como se irá implantar e revelar o Reino, ou seja, o projecto de Deus para o mundo. A primeira das três breves parábolas, proclamadas no texto evangélico, a do trigo e do joio, faz referência a algo que sentimos muito bem nas nossas vidas: a existência do bem e do mal ao mesmo tempo. Não podemos esconder que existe o bem e o mal ao mesmo tempo à nossa volta e que é possível fugir e esconder-se do mal. Ele aí está diante de nós! E como alguns se deixam escravizar pelo mal, ou seja, só vêm o mal, não conseguem ver uma luz de bem; são os pessimistas e os de espírito de contradição! Na primeira leitura, o livro da Sabedoria recomenda-nos que “ o justo deve ser humano”, ou seja, não se convencer que é perfeito, porque não o é. E S. Paulo, na sua carta aos Romanos, na segunda leitura, diz-nos que o “Espírito Santo vem em auxílio da nossa fraqueza…e intercede por nós”. A parábola do trigo e do joio ajuda-nos a viver perante o bem e o mal ao mesmo tempo.

A grande lição da parábola do trigo e do joio é a seguinte: perante a nossa vontade de querer arrancar o mal, o mais rápido possível, tem de haver a serenidade de saber esperar e de respeitar o tempo e o ritmo das pessoas; perante a arrogância da intolerância, tem de se saber compreender; e perante o caminho fácil da violência física e moral, há a força do diálogo. Assim se define o estilo de vida dos filhos de Deus. Não somos juízes, substituindo e ultrapassando Deus. O salmo deste domingo recorda-nos o estilo da nossa vida, imitando Deus: “o Senhor é um Deus bondoso e compassivo, paciente e cheio de misericórdia e fidelidade”. Deus não tem pressa nem vontade de castigar, porque é misericordioso. Deus não se cansa de perdoar, nós é que nos cansamos de ir ao encontro da sua misericórdia.

Perante a existência do bem e do mal ao mesmo tempo na nossa vida, a partir do evangelho deste domingo, sabemos o caminho a percorrer que é tão fácil na teoria, mas difícil na prática. Facilmente, caímos na tentação de pensar que nada conseguimos com os nossos pequenos gestos ou acções, porque a força do mal é poderosa, ou seja, a boa vontade e as boas obras de alguns não são suficientes para lutar contra a força do mal. E é aqui que as outras duas breves parábolas deste domingo, a do grão de mostarda e a do fermento, nos poderão ajudar. Elas dizem-nos que, apesar da pequenez das nossas boas obras, teremos sempre de acreditar na sua força e no seu poder. Quantas vezes uma palavra de ânimo e de conforto, um sorriso, um gesto de amizade e de carinho, um trabalho bem feito, e tantas outras coisas pequenas e humildes, são tão fortes! Gestos e obras pequenas, mas persistentes, darão sempre grandes resultados. “Muitas coisas pequenas, em muitos lugares pequenos, feitas por gente humilde e simples, podem transformar o mundo” (Eduardo Galeano).

A construção do Reino de Deus parece uma utopia, ou seja, algo que nunca se irá realizar, mas é possível. Apesar de tantas contrariedades da vida e da sociedade, um Reino de amor, de justiça e de paz é possível. Que fazer? Imitar a paciência de Deus e, sobretudo, o estilo de Deus: quem parece perder, ganha; e, muitas vezes, quem parece ganhar, está a perder.

Que o Senhor nos ajude a aceitar o ritmo das pessoas e dos tempos, a ter paciência perante a realidade que temos diante de nós. Nunca percamos a vontade de ajudar as pessoas no tempo e com o tempo. Não nos arrependamos de fazer o bem. Pequenos, mas fortes no amor de Deus. Humildes, mas entusiasmados a cuidar dos mais frágeis. Assim, o mal será sempre derrotado pelo bem.

Cónego Jorge Seixas

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Página 1 de 92